quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Zé das Cricas: a caminho da abstinência sexual

Os anos têm passado e que tenho eu feito?
Tenho dado umas valentes fodas, é verdade. Pela frente, por trás, de lado, a fazer o pino… e depois?
Eu, Zé das Cricas, esta mente iluminada de picha sempre inchada questiono-me se tenho evoluído o necessário. Não na arte de enrabar ou de minetar, que essas domino na perfeição. Aliás, modéstia à parte, ainda ontem fiz um minete a uma potranca (um bocado feinha é certo, por isso é que me centrei na cona) que a deixei a relinchar de prazer!
Contudo, a minha dúvida existencial prende-se com isso mesmo: com a existência.
- Terei eu vindo a este mundo apenas para ser uma fonte de prazer?
Tendo em conta o supra referido, estou a pensar enveredar pela abstinência sexual. Pelo menos por uns tempos.
Noto que a minha mente está inteiramente preenchida pelo sexo, pela luxúria e por pensamentos libidinosos. Preciso de fazer uma limpeza, de purificar o meu ser. No fundo, preciso de contactar com a minha essência.
Não, caralho! Não é a minha esporra! Falo da outra essência. Daquilo de que sou feito.
- De que sou feito?
- Quem sou eu?
- Para onde vou?
- A quem vou ligar para me fazer um broche?
A última inquietação está um bocadinho fora do contexto, não? Acho que estes pensamentos deixaram o meu Zézinho a pulsar de tesão. Parece que a abstinência sexual vai ter de esperar…

5 comentários:

Vontade de disse...

Bem, liga a qualquer uma que o faça bem... é o conselho que te deixo.

Mas oh Zé... uma feiosa porquê, diz-me lá? Não é que não tenham direito à vida - que têm - mas porquê teres de recorrer a uma menos bonitinha?

Zé das Cricas disse...

Caridade. Zé das Cricas tem bom coração!

Stargazer disse...

Zé e Zézinho, meus amores,

Queres fazer um retiro espiritual?

Beijo meditativo

Charmoso disse...

Zé, meu caralho, tu não faças essa merda. Nós, os verdadeiros comedores de cricas, estamos em vias de extinção. Tu luta pela nossa causa rapaz!!!!

Abraço

Bianca disse...

Dizem que comer um bom cacho de uvas que passa.
Agora resta saber se das brancas ou pretas.
Beijo onde mais te levar a imaginação.
Cabra